Commentary Education Matters Portuguese

Fraude política nas escolas e na igreja

TORONTO – Que estranho. Graças a reflexões absurdas, até mesmo fúteis (mas expostas com paixão) pelos conselheiros (trustees) das escolas católicas, o verdadeiro drama humano da vida está ocorrendo dentro da Igreja Católica. 

É coisa de filme.

A autoridade moral e jurídica do primeiro prelado do Canadá, aquele que pode ser eleito Papa ou votar no próximo, está a ser contestada publicamente.

Refiro-me à autoridade de que a nossa Constituição Canadiana, a Carta dos Direitos e Liberdades do Canadá, a Lei de Educação do Ontário, Memorandos de Entendimento do Procurador Geral do Ontário e, sim, até mesmo o Código de Direitos Humanos (CDH), o capacita como porta-voz do que é Católico.

Talvez o “stress” seja demasiado para ele.

Vários conselheiros (trustees) do Conselho Escolar Católico do Distrito de Toronto (TCDSB) decidiram “aliviá-lo” dos seus deveres, perante os pais católicos no sistema escolar.

Eles zombam dele no processo.

Nos bastidores estão o bispo de Hamilton, Douglas Crosby, que dizem estar de olho no arcebispado do Cardeal e o ministro da Educação Lecce.

Nenhum dos dois estava disponível para comentar, quando contactados pelo Corriere.

O ministro Lecce tem problemas substanciais de responsabilidade relacionados aos cálculos financeiros associados ao financiamento dos sistemas escolares provinciais.

Precisa desviar as atenções.

Alguns conselheiros (trustees) do TCDSB mostram-se felizes em dar-lhe cobertura.

O bispo Douglas Crosby, provavelmente está na liderança de um cisma dentro da igreja do Ontário.

Não é da nossa competência comentar assuntos de Direito Canônico.

Mas a educação e os direitos dos católicos a um ambiente educacional religioso e ético para os seus filhos, de acordo com a lei, são.

Esses mesmos conselheiros (trustees) parecem felizes por lhe darem apoio.

O ministro Lecce, em violação da sua autoridade sob a Lei de educação, fomentou a discórdia no TCDSB.

Primeiro, ele insistiu na sobreposição do Código dos Direitos Humanos (CDH) à ética católica nas escolas católicas.

A seção 19 do CDH diz especificamente que nada no Código se pode aplicar às escolas católicas.

Em segundo lugar, introduziu o assunto da bandeira do orgulho, provocando os previsíveis insultos de homofobia e transfobia dirigidos a todos e a tudo que seja católico.

Grande ironia.

Esses conselheiros (trustees) – eleitos para salvaguardar e promover essas mesmas liberdades religiosas – estão a usar, como armas, declarações apenas veladas (não de verdade) e religiosamente discriminatórias contra os seus próprios colegas e eleitores católicos que aderem à liderança do Papa/magistério.

Como é possível que essas pessoas ainda se mantenham nos cargos?

O nosso cartunista político encontrou campo fertil para “satirizar” as afirmações deles.

Os católicos pedem abertamente ao Cardeal para que defenda os direitos dos crentes e de seus filhos, mesmo que as escolas estejam fechadas devido a incapacidade desses administradores de fornecerem espaços seguros, do ponto de vista médico, aos seus filhos.

E então, quando as crianças deixarem de frequentar as escolas católicas, como será espalhada a mensagem católica?

Quem fala sobre esse valor?

Os eleitores católicos que ligam e escrevem para o Corriere Canadese não ficam impressionados com o silêncio do Cardeal.

Eles perguntam-se se serão também os sete conselheiros (trustees) a determinar o que será aceitável nos altares.

Eles perguntam se o Cardeal não pode defender os direitos à educação em acordo com o direito constitucional, assim como defende os dogmas de acordo com o direito canônico.

 

Carlos Lima

Leave a Reply


cnmng.ca ***This project is made possible in part thanks to the financial support of Canadian Heritage;
and Corriere.ca

“The content of this project represents the opinions of the authors and does not necessarily represent the policies or the views of the Department of Heritage or of the Government of Canada”