Canada Portuguese Travel & Tourism

Quem estiver completamente vacinado não terá mais que se sujeitar a quarentena em hotel

Article by Corriere Canadese Staff — Translation and Video Luis: Aparicio

OTTAWA – Os viajantes que precisam entrar ou regressar ao Canadá vão em breve poder evitar a quarentena obrigatória num hotel aprovado pelo governo. As autoridades federais disseram ontem que esperam ter um sistema em vigor – até ao início de julho – que permitirá às pessoas permanecer em quarentena em suas casas até que recebam um resultado negativo do teste à Covid-19, realizado na chegada ao país.

A ministra federal da saúde, Patty Hajdu, disse que o governo não está a mudar as regras sobre quem e como pode entrar no Canadá: “A diferença é que os viajantes totalmente vacinados com direito a entrar no Canadá”, disse a ministra Hajdu – poderão renunciar a permanecer num hotel aprovado ou autorizado pelo governo até que recebam um teste negativo realizado à chegada”.

No entanto, os viajantes terão de provar que foram totalmente vacinados e só serão considerados totalmente imunizados se tiverem recebido duas doses de uma vacina aprovada para uso no Canadá. As vacinas atualmente aprovadas para uso no nosso país incluem a AstraZeneca, a Johnson e Johnson, a Pfizer e a Moderna.

O governo de Otava espera fazer as alterações no início de julho, mas ainda não definiu uma data específica. O ministro dos Assuntos Intergovernamentais, Dominic LeBlanc, disse que a decisão de quando será implementada a mudança será baseada em parte nos índices de contágio da Covid-19 registados no país. O governo está a trabalhar com as províncias e a Agência de Serviços de Fronteiras do Canadá num documento que prova a vacinação completa, ou seja, um passaporte biológico.

Leia o artigo em corriere.ca

Read More>>>

Leave a Reply


cnmng.ca ***This project is made possible in part thanks to the financial support of Canadian Heritage;
and Corriere.ca

“The content of this project represents the opinions of the authors and does not necessarily represent the policies or the views of the Department of Heritage or of the Government of Canada”