Commentary Editorials Education Matters Portuguese

Regra # um – No atletismo ou na política: mantenha-se na sua pista.

Parei numa loja Dollar Store para comprar dois cartões: um de aniversário e outro do dia da Mãe – ambos para a mesma pessoa.

A maior parte da loja estava devidamente sinalizada e encerrada, incluindo o expositor de cartões.

Apesar disso, peguei nos cartões e tratei de fazer o pagamento.

A caixa de pagamento automático não validava a minha compra de cartões.

Uma jovem assistente veio em meu auxílio e disse: “Desculpe senhor, mas as regras não nos permitem vender nenhum cartão, excepto aqueles”.

“Você não pode comprar o outro e eu não posso vendê -lo”.

O valor do cartão era de $1.13  com imposto incluído.

Todo o equipamento e pessoal foram programados e instruídos para respeitar a lei.

Que conceito mais interessante, pensei comigo mesmo!

O Dollar Store entende de leis, deveres e autoridade – se você não gosta deles, você é livre para ir comprar noutro lado.

Eles deveriam ter alegado na reunião da última Quinta-feira do Conselho Escolar Católico do Distrito de Toronto.

Os conselheiros do TCDSB – alguns deles – parecem não ter compreendido esse conceito.

Ou isso, ou o Cardeal é negligente quanto aos seus deveres e está deturpando as suas obrigações.

Eu desconfio do primeiro

Independentemente da nossa posição sobre a aplicabilidade do Código dos Direitos Humanos em qualquer ambiente escolar, existem algumas verdades incontestáveis quanto às fundações das Escolas Católicas.

Elas estão enraizadas na Lei Constitucional e na Lei da Igreja (o magistério).

A Constituição e a legislação que daí decorre, validam os direitos dos cidadãos que nomeia.

Esses cidadãos são beneficiários de certas posições que todos são obrigados a defender e promover.

A Lei reconhece a autoridade do magistério para regular e determinar o Dogma Católico nas escolas católicas.

Os conselheiros (trustees) do Conselho Escolar não tem autoridade para fazer tais determinações para a Constituição.

Eles não podem decidir em nome de nenhum eleitor católico acerca do que eles podem ou não praticar como sua “religião”.

Eles não têm autoridade para decidir isso.

Em parte, é por isso que todos os anos, na reunião inaugural, os conselheiros (trustees) fazem um juramento ao magistério reafirmando o seu entendimento sobre a obrigação de defender e promover os propósitos de uma educação católica.

A que outro propósito deveriam servir?

Eles não juram que vão interpretar sobre o que eles pensam ser a prática religiosa mais adequada.

Na semana passada, eles escolheram a “bandeira em vez da cruz”.

Aposto que eles não se apresentaram às eleições de acordo com algum programa político para promoverem a sua própria interpretação do Catolicismo.

Eles seriam desqualificados imediatamente. 

Os seus desvios, inaceitáveis,  dessas verdades mais simples, ficou claro ao chamarem como testemunhas pessoas não católicas e diametralmente opostas à ética católica.

Em termos práticos semelhantes, porque motivo o Conselho de Administração da Cola-Cola convidaria representantes da Pepsi-Cola para argumentar sobre possíveis alterações na fórmula da Coca-Cola?

Dando “uma bofetada na cara “ do Cardeal por ousar “orientar os fiéis e aqueles cujo dever é implementar essa orientação pode ter sido auto-satisfatório para a mente frívola do “agressor” – mas não passa disso.

Nenhuma das tagarelices “amadoras” apresentadas como justificativas teria impressionado a jovem balconista.

Ela recusou a comprometer-se a si mesma, o seu empregador ou a loja  “como princípio”. 

Para ela o que estava em jogo não era a relativa insignificância de $1.13 mas a defesa dos princípios para os quais foi contratada.

Os conselheiros (trustees) supervisionam um orçamento de aproximadamente $1,3 bilião por ano.

Não refletiram por um só momento sobre a decisão que estavam a tomar de excluir a esmagadora maioria das famílias que mandam os seus filhos para as escolas católicas por causa do magistério.

Pior, eles colocaram em risco os direitos parentais/religiosos da Lei.

Por essa ilegalidade irreverente, eles merecem ser expulsos do cargo rapidamente.

Carlos Lima

Leave a Reply


cnmng.ca ***This project is made possible in part thanks to the financial support of Canadian Heritage;
and Corriere.ca

“The content of this project represents the opinions of the authors and does not necessarily represent the policies or the views of the Department of Heritage or of the Government of Canada”