Business & Economy News Brief Podcasts & Videos Portuguese

“Viver para trabalhar” pode ter riscos fatais

article by Priscilla Pajdo, translation and video by Luis Aparicio

Um número crescente de dados sugere que horas extraordinárias e longas jornadas de trabalho afetam negativamente a saúde e o bem-estar dos trabalhadores. Um novo estudo global descobriu que trabalhar mais de 55 horas por semana aumenta o risco de derrame cerebral e doença cardíaca de uma pessoa.

De acordo com uma análise sistemática da Organização Mundial da Saúde e da Organização Internacional do Trabalho (OMS/OIT), as últimas estimativas sugerem que longas horas de trabalho mataram três quartos de um milhão de pessoas em 2016, um aumento de 29% em relação a 2000.

Uma equipa de pesquisadores de todo o mundo analisou os dados recolhidos em 194 países, entre 2000-2016, para determinar a carga de doenças cardíacas e derrames atribuíveis ao excesso de horas de trabalho.

O relatório, publicado na Environmental International (17 de maio), mostrou que trabalhar mais de 55 horas por semana ficou associado a um aumento de 35% no risco de derrame. Também está relacionado a um risco 17% maior de morrer de doença cardíaca, em comparação com trabalhar uma média de 40 horas por semana.

Em 2016, o número de mortes por doenças cardíacas atribuíveis a horas extraordinárias e horas de trabalho prolongadas (347 000), aumentou 42% em relação a 2000. O número de pessoas que morreram de acidente vascular cerebral (398 000) aumentou 19% no mesmo período. (Gráfico 1)

Leia o artigo completo em corriere.ca

Leave a Reply


cnmng.ca ***This project is made possible in part thanks to the financial support of Canadian Heritage;
and Corriere.ca

“The content of this project represents the opinions of the authors and does not necessarily represent the policies or the views of the Department of Heritage or of the Government of Canada”