Canada Faith & Religion News Updates Portuguese Toronto

Católicos, perseguição internacional e cancelamento local

TORONTO – Os cristãos (em particular os católicos, praticantes de sua fé em diferentes ritos) são numericamente os mais perseguidos do mundo. Eles representam o maior grupo demográfico sujeito a procurar refúgio na sua própria terra.

Há poucos lugares seguros para eles quando a turbulência militar, a intolerância religiosa, os sistemas de castas ou as convulsões políticas perturbam o delicado equilíbrio da paz social. Os resultados são comuns: agressao, agressão sexual, execuções extrajudiciais, assassinato, pilhagem etc.

A Arquidiocese Católica de Toronto ganhou a reputação de “resgatar” proativamente famílias e indivíduos de tais condições e colocá-los num ambiente onde possam começar a refazer suas vidas de acordo com a ética católica.

Tem um histórico de tal ativismo. Em meados do século XVIII, quando Toronto era um mero posto colonial de 26.000 habitantes, a diocese acolheu e acomodou cerca de 40.000 refugiados irlandeses, muitos deles doentes com tifo e outras doenças.

Cerca de 450 refugiados católicos de países do Grande Oriente Médio e da África, deslocados pela guerra e pela fome provocada pelo homem, reuniram-se para agradecer ao cardeal Thomas Collins pelo seu compromisso quanto à sua integração num mundo onde podem ser livres para procurar um futuro próprio. A noite de sábado começou com uma procissão liderada por membros da Igreja da Eritreia. Eles entoaram um cântico de  saudação para mostrar respeito pelos líderes da igreja.

Foi uma enorme demonstração de agradecimento dos católicos: coptas, caldeus, melquitas, ortodoxos sírios, membros da Capelania da Eritreia pelo trabalho da Arquidiocese em seu nome. Igualmente impressionante foi o número de prelados, padres e organizadores paroquiais, incluindo o arcebispo emérito Lawrence Saldanha, o bispo Mina, o pe. Yousif Al Banna, Pe. Manhal Abboush Habash, Pe. Keflemariam e o Reverendo Mons. Makarios Wehbi, que se juntou a Sua Graça Dom Ivan Jurkovic, Núncio Papal no Canadá, com suas manifestações  de gratidão.

Pela sua  parte, no encerramento, o Cardeal Collins foi humilde, breve e direto ao assunto. Fazemos o que devemos para ser exemplos de nossa fé pela qual somos perseguidos internacionalmente. Mas “localmente”, mesmo em países onde a paz prevalece, precisamos ter cuidado com o “cancelamento” em todas as suas formas de expressão .

“As pessoas devem poder ficar em sua terra natal em vez de serem perseguidas e expulsas de suas casas”, disse Sua Eminência. Ele também enfatizou que o perigo aqui é “ainda não é a perseguição”, mas sim a  “complacência e supressão de nossa fé”. Ele também sugeriu que as maneiras “calmas e educadas” do Canadá devem permitir lidar “com mão de ferro”, se necessário.

O diácono Rudy Ovcjak, Diretor do Departamento de Refugiados – Arquidiocese de Toronto (ORAT), também reconheceu os enormes esforços dos membros da comunidade para ajudar os refugiados que sofreram terríveis perseguições e violência.

Segundo a ORAT, desde 2009, a organização ajudou a realojar 6.800 refugiados, dos quais 5.500 já chegaram ao Canadá. “Vidas que foram mudadas para melhor”, disse Deacon Rudy. Ele também reconheceu que o importante empreendimento se estende àqueles que sofrem fora da fé cristã. Com a crise na Ucrânia, ele também fez um convite aos interessados ​​em ajudar a acolher alguns dos 500 mil refugiados esperados nos próximos meses.

(artigo: Priscilla Pajdo / traducao: Carlos Lima)

Leave a Reply


cnmng.ca ***This project is made possible in part thanks to the financial support of Canadian Heritage;
and Corriere.ca

“The content of this project represents the opinions of the authors and does not necessarily represent the policies or the views of the Department of Heritage or of the Government of Canada”